SC Class Matriz • Brusque (47) 3355-9031

(47) 99116-1446

SC Master • São José (48) 3307-8072

(48) 99160-4246

UNIDADES Veja aqui

Entre em contato

(48) 99160-4246

Luto Infantil - Como auxiliar uma criança enlutada

Categoria: // 24/03/2021

Quando o processo de luto ocorre na infância é muito diferente de quando ocorre já na fase da adolescência ou vida adulta.

A compreensão sobre a finitude da vida é adquirida com o passar dos anos, por isso, durante a infância é necessário levar principalmente em consideração a faixa etária que a criança se encontra para então elaborar o modo de explicação sobre a perda de um ente querido.



 



No momento atual em que vivemos, onde diversas vidas queridas estão sendo tiradas de nós rapidamente é de extrema importância estarmos preparados para amparar a dor de nossos pequenos.



Por isso, separamos por faixa etária como funciona o entendimento sobre o luto na cabeça das crianças segundo a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria):



0 - 3 anos: A criança percebe a morte apenas como ausência e falta.

03 - 05 anos: A criança entende a morte como um estado semelhante a um sono. Com apoio de suas fantasias, nossos pequenos creem que pensamentos, desejos e palavras podem causar ou evitar a morte, nessa idade o sentimento de culpa diante da morte de pessoas queridas é infelizmente muito comum, pois existe uma associação da ausência a desejos e pensamentos agressivos.

05 - 07 anos: Nessa idade, a criança passa a conseguir entender a morte como “irreversível” e “inevitável”, sendo assim, compreende que esse acaba sendo o destino de todos, também como um estado onde o corpo humano deixa de funcionar.

A partir dos 10 anos: Um pouco mais madura, a criança dessa idade consegue ter uma compreensão da morte de forma mais abstrata, formulando assim hipóteses sobre a sua causalidade.





Aprender a escutar a criança e interpretar os sinais que a mesma dá, é muito importante durante o processo, pois apesar da tabela de idade nos dar um ponto de identificação, cada criança possui um processo de vivência e aprendizado diferente, cada criança amadurece no seu tempo único. Para saber como abordar assuntos tão delicados quanto a perda, é necessário identificar o conhecimento da criança antes de qualquer coisa.

 



 



Caso você não se sinta preparado para conversar com a criança sobre a perda do ente querido, é necessário buscar o acompanhamento de um profissional o quanto antes, pois ele saberá como conduzir a situação, mas é necessário não esconder a verdade dos pequenos, para que não sintam, além da perda a dor de terem sido enganados ou isolados de outros entes queridos.





Os profissionais indicados para lidar com essas situações são os psicólogos e psiquiatras especializados em pediatria, clicando aqui você tem acesso a nossa lista de profissionais parceiros.