SC Class Matriz • Brusque (47) 3355-9031

(47) 99116-1446

SC Master • São José (48) 3307-8072

(48) 99160-4246

UNIDADES Veja aqui

Entre em contato

(48) 99160-4246

FIQUE INFORMADO

A EXISTÊNCIA HUMANA

Categoria: Notícias // 11/05/2018

Durante o cotidiano vamos estabelecendo relações de diferentes dimensões que afetam de forma significativa nossas vidas, como nossa forma de ser, perceber e atuar no mundo. Essas relações acontecem basicamente por meio de 2 tipos de atitudes, que Martin Buber denominou de: “Eu-Tu” e “Eu-Isso”. Atitude ontológica: é a atitude do encontro entre duas pessoas e é caracterizada pela reciprocidade, presença, intensidade, indefinibilidade e confirmação mútua. A segunda atitude se caracteriza pela experiência e utilização, sendo que essa experiência só se realiza no experimentador. O “Isso” é inteiramente subjetivo e ausente de mutualidade, ou seja, é a típica relação sujeito/objeto. O objeto é algo estagnado, parado, ausente de relação e de presença.



 Vivemos em uma época marcada pelo consumismo, caracterizada por necessidades que tem nos distanciado cada vez mais de nossas características ontológicas. O resultado disso é que vamos nos tornando superficiais e estendemos essa superficialidade para nossas relações. O processo de refletir sobre nossa existência nos possibilita uma maior compreensão acerca de nós mesmos, além de estabelecer relações favoráveis e saudáveis com nossa realidade e com as demais pessoas.



Hoje as relações interpessoais passam por uma dualidade de “ser e parecer”.  Ser autêntico em uma época que predomina o parecer não é tão simples, pois para ser aceito em determinado grupo social eu preciso ter as características desse grupo. Oposto a isto, temos a autenticidade que só acontece quando comunicamos ao outro o que realmente somos. A vida real surge quando nos livramos dos nossos fantasmas, quando a aparência se esvai e quando a profundidade da vida se sobressai as aparências.  



A invasão e a inadequação do “parecer” atrapalham o crescimento das relações e o nosso desenvolvimento pessoal. Quando impomos ao outro nossa opinião e atitude, estamos privando esse outro da sua essência e existência, pois esse outro passa a agir movido por nossa opinião e atitude. O sentido da existência como desenvolvimento pessoal está na disposição e na abertura para reconhecer o outro como possibilidade de aprendizado e crescimento pessoal. Logo, não façamos das diferenças o motivo para vivermos em guerra. Encare-as como uma oportunidade de crescimento pessoal. Nem mesmo a finitude leva consigo as memórias que deixamos. Então viva como se já estivesse vivendo pela segunda vez e como se na primeira vez você tivesse agido tão errado como está prestes a agir agora. Visualize o presente como oportunidade de alterar e corrigir o passado.



 



Marisa Klein Horner - Psicóloga -CRP 12/15113